Além do ‘o que tem pra hoje’

23 de julho de 2020

No meio do quase-fim-do-mundo, uma gente teimosa insiste em fazer dança, e pra alegria do público, continua criando arte. Obrigado.

Com o cancelamento de contratos, temporadas, aulas e cursos, os artistas da dança têm enfrentado situações de crise e de emergência, suspensão de atividades e apresentações, interrupção de processos criativos e apagamento completo de agendas.

 

No pânico, o primeiro esforço é o da sobrevivência. É instinto. Com o público todo em casa, as instituições voltaram seus olhares para as transmissões. E ai vem a pergunta: quem consegue produzir conteúdo pra ser transmitido?

 

Como esperamos que os artistas da dança articulem equipes remotas e processos de criação, quando lhes falta o básico da sobrevivência (?) — em matéria de arte, mas para muitos também em questão de indivíduo.

 

A pressão de criar, e a possibilidade de estudar novas formas, a partir da câmera, para o video, se juntam ao desgaste da sobrevivência. São processos demorados, são técnicas específicas. E a necessidade de conteúdo é imediata e bate à porta, como condição da sobrevivência.

 

Num respiro, vieram algumas respostas artísticas, ainda que não em arte: vamos conversar sobre, vamos comentar trechos, vamos falar de processos, vamos falar do fazer dança. Na sequência, vieram os acessos aos repertórios, e agora chegamos à maratona das lives.

 

O formato, as plataformas, o jeito de assistir, aproximaram a experiência com a dança da experiência das muitas reuniões virtuais de todos os dias. E é com esse corpo, cansado e indisposto, que às vezes chegamos nelas.

 

O efeito é triste e complicado. Como encontrar novas dinâmicas de lidar com o público e de lidar com a obra de dança? Como adaptar séculos de experiência estética com a presença para a distância? Como transformar as técnicas corporais e as técnicas de palco em formatos para o video?

 

As questões insistem, todos os dias, a cada reunião, e a cada nova live. Gritam para o público e gritam para os artistas. Mas, dispersos pelo desespero imediato da sobrevivência, acabamos deixando um pouco de lado. É isso. É o que tem pra hoje. É o que dá pra fazer nessa situação. Ficamos entre o elogio da resistência e o remorso do sobrevivente.

 

Mas de repente, numa madrugada, tirando o atraso de lives perdidas, um suspiro aliviado: olha, olha aquilo lá. Tem uma coisa ali. Não é “mais uma live”, não é só “o que tem pra hoje”. É bom. É interessante. É dança… E a gente se permite dormir com um pequeno sorriso, porque a dança continua. Pura e deliciosa teimosia.

Logo_3º_Sinal_preto.png

coluna de dança

toda 5ª feira

nos sites:

Logo MUD.png
logo dQP novo JPEG.jpg

fale com o autor

  • Instagram
  • Facebook ícone social
  • Twitter ícone social

Todos os textos do da Quarta Parede são escritos por Henrique Rochelle

Os textos publicados anteriormente (2013 - 2017) no da Quarta Parede continuam disponíveis no domínio original

  • Facebook Social Icon
  • LinkedIn Social Icon
  • Criticatividade