Entre interesse e histeria

9 de maio de 2021

Popularidade, histeria, e o centro das atenções: o que a final do BBB tem a ver com a dança?

De repente, uma pessoa, um assunto, um trabalho, caem na boca e no gosto do povo. De repente, não se fala de mais nada. Essa semana, o assunto foi a final do BBB. Tem todo ano, e às vezes parece que a gente já nem dá mais importância. Mas esse ano a coisa parecia maior.

 

Os fenômenos de popularidade já mudaram um tanto. De assunto principal nos salões pra sujeito de coluna em jornal e revista, até chegar em trending topics no Twitter e milhões de seguidores no Instagram. Os processos são mais amplos e frequentemente mais ágeis — também sob o risco de passarem bem mais rápido.

 

A construção da fama e a obsessão com ela também tocam a dança. De maneiras bem mais suaves do que a final do BBB, mas com certas repetições.

 

Essas formas de adoração nem sempre são saudáveis. A mítica história dos 35 fanáticos que compram do dono de um hotel um par de sapatilhas que teria sido de Marie Taglioni (a estrela de La Sylphide, balé de 1832) é um desses exemplos.

 

O evento teria se passado numa turnê russa da estrela. O dono do hotel acha os sapatos no quarto ocupado por ela, e vende por algo entre 200 e 1000 rublos, em diferentes versões. O mais peculiar é o que vem depois: a decisão de cortar e cozinhar as sapatilhas em um fricassé, comido num jantar, com champagne.

 

A popularidade do balé romântico não foi a primeira das manias da dança. Vira e mexe, é lembrada a Praga da Dança de 1518, com pessoas em Estrasburgo dançando compulsivamente, em algumas versões da história, até a morte. Mais modernamente, a praga é questionada como envenenamento acidental, ou fenômeno de psicose e histeria coletiva.

 

São outras histerias que levam a percepções como a do crítico e historiador Arnold Haskell, em seu livro Balletomania (1934), que começa com “Eu acredito firmemente que a sociedade humana é dividida em três castas: bailarinos russos, bailarinos, e pessoas muito comuns”.

 

De lá pra cá, talvez um tanto menos histéricos, mas vimos, em ondas, momentos históricos em que a dança parece despontar na sociedade, na política e nas discussões, como algo importante.

 

Os anos 1960 e 1970 também viram uma dessas ondas, pelo mundo todo, e em diversos estilos. O efeito costuma ser parecido: muito barulho, muita atenção, um platô, e ai as coisas vão se acalmando e se dissolvendo até cairem de volta numa mesmice.

 

Veja bem, eu não sou dado a esses arroubos, e olhando o tanto da produção de dança hoje, é difícil falar de pequenez, de calmaria. Mas não dá pra passar uma semana dessas sem pensar em quando chega a próxima chance da dança estar no centro das atenções. No centro dos incentivos. No centro dos planos. Nem estamos falando de 27 milhões de seguidores, mas alguma coisa entre o interesse e a histeria cairia muito bem.

Logo_3º_Sinal_preto.png

coluna de dança,

todo domingo

 nos sites:

Logo MUD.png
logo dQP novo JPEG.jpg

fale com o autor

  • Instagram
  • Facebook ícone social
  • Twitter ícone social

(mas fale mesmo,

isso é uma conversa)

a coluna 3ºSinal é uma das ações do daQuartaParede e do PortalMUD apoiadas pela Lei Emergencial Aldir Blanc do município de São Paulo