Quem precisa de prêmio?

28 de janeiro de 2021

Um prêmio funciona como uma lanterna: a gente aponta para algo para iluminar, destacar. E a dança precisa de mais luz.

Quando eu morava no interior e era difícil vir pra São Paulo pra estar em contato com a produção de dança, eu esperava um tanto ansioso o anúncio dos prêmios para a área. Além do gosto por premiações, eu tinha um interesse na proximidade: em saber o que alguns especialistas pensavam sobre a área onde eu ia aos poucos me inserindo, e pra onde eu poderia olhar para saber mais.

 

Década e meia depois, eu sinto o nervoso da responsabilidade quando anunciamos as listas de indicados e ganhadores dos prêmios de dança da APCA — Associação Paulista de Críticos de Artes. A instituição é sexagenária, o prêmio de dança existe desde 1973, e por essa comissão passaram diversos mestres — alguns deles assistindo, discutindo e criticando dança desde antes de eu nascer.

 

Isso tudo aumenta o peso desse lugar. Reconhecer os melhores em cada categoria é uma tarefa assustadora. E toda lista sofre por ser incompleta: ela é refém daquilo que conseguimos acessar, daquilo a que conseguimos assistir, da dança que sabemos que existe.

 

No meio da felicidade do reconhecimento, sempre aparecem questionamentos. Querem saber o que assistimos, onde fomos, porque não olhamos para tal produção. Querem saber o que é que fizemos nesse ano, frente a essa produção.

 

Fizemos o que todo mundo fez num ano excepcionalmente difícil: nos esforçamos para continuar. Continuar assistindo dança, falando de dança, e trabalhando. Também precisamos achar outras formas de acessar a produção, agora online e se sobrepondo aos espaços das casas, das salas, dos quartos, das famílias.

 

A facilidade do acesso, do não precisar deslocar, não facilitou a presença. Na verdade, 2020 não foi mais fácil pra ninguém. E essa excepcionalidade te sido discutida em tantos reflexos desse ano complicado — como essa coluna.

 

O esforço que orienta uma premiação é o do reconhecimento. Não de um só, e também não de “todos” — não cabe esse tamanho de pretensão de acreditar conseguir ver tudo, conhecer tudo, assistir tudo, especialmente quando tem uma parcela significativa que quase não divulga suas ações. O reconhecimento aqui é o do campo, da dança.

 

O propósito de um prêmio é indicar caminhos, apontar uma lanterna e iluminar alguma coisa. Quem precisa de prêmio não é um artista ou o outro. Não é um crítico ou o outro. Quem precisa de prêmio é a dança.

 

Num ano aterrorizante, muita gente se desdobrou em mil pra garantir que a dança continuasse. E dá orgulho poder olhar pra isso, falar sobre isso, reconhecer, e também premiar.

Logo_3º_Sinal_preto.png

coluna de dança,

toda semana nos sites:

Logo MUD.png
logo dQP novo JPEG.jpg

fale com o autor

  • Instagram
  • Facebook ícone social
  • Twitter ícone social

(mas fale mesmo,

isso é uma conversa)

a coluna 3ºSinal é uma das ações do daQuartaParede e do PortalMUD apoiadas pela Lei Emergencial Aldir Blanc do município de São Paulo