Vontade de coisa boa

12 de novembro de 2020

Eu não acredito em torcida contra: quem assiste quer ver coisa boa, bem feita, bem resolvida. Quem assiste dança quer gostar. 

Na minha cabeça, a ideia de alguém que vai assistir a uma apresentação querendo não gostar, achar problema, e falar mal é inconcebível. Seja público, seja pesquisador, seja crítico. 

 

O trabalho que a gente tem pra acompanhar um espetáculo — em dedicação, em tempo ocupado, deslocamento e atenção — não se justifica com reclamar, com apontar o dedo, com esperar ficar chateado, ou insatisfeito.

 

Todo mundo sai de casa (ou da o play) querendo assistir a uma coisa boa. Uma obra que funciona, alguma coisa bem feita. É não é uma questão simples de “te agrada”, ou “te deixa feliz”.

 

Eu não to pedindo pra dança ser morna, não to falando sobre ser simplista e entretenimento. To pedindo pra dança ser boa.

 

Pra além de concordar com tema ou abordagem. Pra além de ser algo fácil, ou que agrada quase qualquer um. Agradar é uma possibilidade, mas existem outras tantas: provocar, interessar, tocar, motivar, instigar, comover, excitar… E pra isso não precisa ser fácil, não precisa ser leve, não precisa ser feliz. Mas precisa sem bem feito. Senão, o desgaste é pesado.

 

Porque é realmente chato, pra todo mundo, acompanhar coisa ruim. O espaço do teatro tem um conjunto de regras que ajuda a constranger o público a continuar na sala — e se deu ruim, a chance é que você tenha que continuar se incomodando até aquilo acabar.

 

Hoje em dia, os sistemas que a gente usa criam bem menos barreiras. Pausar o video, sair da sala, escapar discretamente ou com um “problema de conexão” é fácil demais. Deixar a coisa acontecendo enquanto você olha pro outro lado, lava a louça, lê um livro ou ouve música, é ainda mais.

 

Como a gente lida com um risco maior de incompreensão? Como a gente trabalha uma possibilidade de distanciamento, de recusa, de inacesso à proposta que a obra coloca em jogo? Com mais mediação.

 

Especialmente nesse tipo de situação de atenção deslocável, sendo requisitada por várias coisas ao mesmo tempo, a mediação cumpre um papel fundamental em pavimentar um caminho entre o público e as propostas da obra.

 

Pra além das mediações posteriores, como a crítica e o bate-papo, esse momento pede novas soluções de mediações anteriores, também preparando e informando o público. Mais que nunca a gente quer entender qual é a proposta, qual a forma como vamos assistir, qual o formato, quais as estruturas, quais os processos.

 

“Fazer parte” nunca foi tão complicado e tão importante. Mas, a nosso favor, a gente continua contando com a disposição do público: porque as pessoas ainda assistem (e clicam) querendo encontrar coisa boa.

Logo_3º_Sinal_preto.png

coluna de dança,

toda 5ª f nos sites:

Logo MUD.png
logo dQP novo JPEG.jpg

fale com o autor

  • Instagram
  • Facebook ícone social
  • Twitter ícone social

(mas fale mesmo,

isso é uma conversa)

Todos os textos do da Quarta Parede são escritos por Henrique Rochelle

Os textos publicados anteriormente (2013 - 2017) no da Quarta Parede continuam disponíveis no domínio original

  • Facebook Social Icon
  • LinkedIn Social Icon
  • Criticatividade