Não é novidade

27 de agosto de 2020

        A gente gosta de ouvir que algo é novidade. Mas a roda não precisa ser reinventada, e a dança não é uma fábrica. Dá pra escapar da lógica de produto?

Parece — mas só parece e essa ideia já é antiquada — que a arte depende de novidade pra ser interessante. Todo mundo adora ouvir um “pela primeira vez”, um “nunca antes visto”, um “completamente inovador”. Mas sejamos honestos: só se inventa a roda uma vez.

 

Apesar disso, entre o efeito de marketing e a crença romântica, sempre tem um tanto de produção que se anuncia e que é vendida como “novidade”. Nós temos uma obsessão cultural com o inédito, o original, a estreia — e a dança não escapa disso.

 

Essa obsessão é perigosa, porque ela atende uma lógica de produto, uma lógica de mercado: lançamento, novo modelo, versão otimizada, 2.0. E os caminhos da cultura são outros.

 

Por questão de hábito, ou por comparação com formas industriais, a gente acaba valorizando tanto a ideia do novo, que às vezes nos contentamos com (e até incentivamos) novas embalagens para exatamente as mesmas coisas, e vemos a mesma roda de sempre, com uma apresentação que de “nova” só tem a propaganda.

 

É um caminho tortuoso, que cobra ao mesmo tempo a novidade e a pesquisa continuada. Nenhuma dessas coisas acontece da noite pro dia, mas mesmo assim fica no ar um tom horrível de expectativa de que, pelo menos uma vez por ano, o artista se reinvente, num processo ao mesmo tempo consequente de sua carreira e completamente inesperado.

 

O esquema é cruel e reduz a produção artística a um sistema de fábrica. Mas como atuar em algum outro sentido?

 

Primeiro, incentivando as não-estreias. O tempo faz bem pra dança, e um espetáculo amadurecido tem muito a oferecer pro público. Então assista ao que você ainda não viu, reveja o que já assistiu há algum tempo. E aproveite novas temporadas pra fazer mais indicações. As obras também se atualizam pelas nossas reflexões.

 

Segundo, incentivando a memória. Se importe com história: gente informada corre menos risco de cair na pegadinha do “nunca antes visto”, e tem ainda menos necessidade de inventar pseudo-novidades. Não somos tão inéditos assim, mas o passado tem muito a oferecer.

 

Terceiro, ajude a desconstruir o mito da novidade constante. Continuidade se faz com um bom tanto de insistência e umas pitadas de inovação. Pesquisa séria inclui repetição,  replicação, e verificação. Senão é invencionismo e falta de conhecimento.

 

A roda já foi inventada e ela funciona. Não espere que ela seja superada todos os dias,  todos os anos, todas as décadas. O mundo tá cheio de coisas que não são completamente novas, mas são completamente ótimas. A dança também.

Logo_3º_Sinal_preto.png
Logo MUD.png

coluna de dança

toda 5ª feira

nos sites:

logo dQP novo JPEG.jpg

fale com o autor

  • Instagram
  • Facebook ícone social
  • Twitter ícone social

(mas fale mesmo,

isso é uma conversa)

Todos os textos do da Quarta Parede são escritos por Henrique Rochelle

Os textos publicados anteriormente (2013 - 2017) no da Quarta Parede continuam disponíveis no domínio original

  • Facebook Social Icon
  • LinkedIn Social Icon
  • Criticatividade