Quem precisa estudar dança?

17 de setembro de 2020

Dança se pratica, se descobre e se estuda. E os mestres e professores têm muito a ensinar sobre o corpo.

Quanto mais a gente fala de dança, mais a gente percebe a importância das escolas, do ensino, e do estudo, em seus muitos níveis. Se por um lado isso é parte enorme na formação dos artistas profissionais, por outro lado o ensino e o estudo também falam da formação de indivíduos, de sujeitos.

 

De gente que entende melhor o corpo, o movimento, a arte e suas possibilidades. Não só pra poder fazer, apresentar, praticar dança, mas pra poder aproveitar da dança.

 

A questão insiste: quem precisa estudar dança? — Todo mundo. Não pra se tornar bailarino profissional, nem mesmo pra se tornar bailarino. Mas pra entender um pouco mais do que é, o que faz, e o que pode fazer o nosso corpo, existindo no espaço.

 

O movimento é uma coisa comum, até corriqueira, mas assusta a falta de proximidade que as pessoas em geral às vezes têm com ele. 

 

A dança dá sentidos pro corpo no espaço. Nos significados mais plurais de “sentido”, desde o “direcionamento”, até a “razão”. É um nível de compreensão e entendimento que é a base da dança-arte, mas que independe dela.

 

Faz parte da dança-estudo, da dança-experiência, da dança-vivência, da dança-prática-social. Que a gente descobre e exercita, dançando nas tantas ocasiões populares, nas festas e cerimônias, nos grupos e rodas, nas batalhas e desfiles, nas companhias e teatros. Em todas essas situações, vamos aprendendo. Com colegas, com mestres, e também nas escolas e academias.

 

No meio disso, surge uma categoria especial de profissionais: os professores de dança. Nem sempre amplamente reconhecidos (como costuma acontecer com todos os professores), mas dificilmente esquecidos (porque não tem quem não saiba o impacto que um professor causou na sua vida).

 

É raro assistir a um ensaio e não reparar um bailarino fazendo algum ajuste, com uma cara de que lembra da professora que insistia naquela correção, e das imagens que grudam na cabeça e vão criando sentido praquele universo — cada vez menos desconhecido pelo estudo — do lado de dentro do nosso corpo.

 

A gente vai descobrindo o movimento, o corpo, e se descobrindo. Processo que nunca acaba, e que se aprende fazendo, trocando, assistindo, olhando e ouvindo quem sabe. Dança é matéria antiga. Seu ensino é direto e tradicional: de uma pessoa pra outra. E a gente sente, ainda mais agora, a importância dessa proximidade.

Logo_3º_Sinal_preto.png

coluna de dança

toda 5ª feira

nos sites:

Logo MUD.png
logo dQP novo JPEG.jpg

fale com o autor

  • Instagram
  • Facebook ícone social
  • Twitter ícone social

(mas fale mesmo,

isso é uma conversa)

Todos os textos do da Quarta Parede são escritos por Henrique Rochelle

Os textos publicados anteriormente (2013 - 2017) no da Quarta Parede continuam disponíveis no domínio original

  • Facebook Social Icon
  • LinkedIn Social Icon
  • Criticatividade